Salário Mínimo Nacional

Será o salário mínimo nacional um dos responsáveis pela desertificação do Interior?

O salário é um preço e, como tal, o mais eficiente para a sociedade é não ser controlado. O salário é o preço da mão-de-obra, é a remuneração do serviço prestado. Em Portugal já nem se discute a existência ou não de um salário mínimo nacional (SMN). Discute-se apenas quando e em quanto se deve aumentá-lo. A ideia criada é que tem de existir um salário mínimo para ajudar os mais pobres. Vou contar um segredo aos portugueses: os mais prejudicados pela existência do salário mínimo nacional e pelos seus aumentos são as pessoas mais pobres da sociedade! Com a subida do salário mínimo as pessoas pobres que ganhavam o salário mínimo anterior são despedidas, podendo ser ou não substituídas por pessoas mais qualificadas , porque o novo custo, definido pelo Estado, que a empresa tem com elas é superior ao valor que elas criam para a empresa.

Infelizmente há muita gente a viver com salários a rondar o valor do SMN, pelo que aumentar o SMN garante sempre votos desses que são beneficiados (e diga-se de passagem de muita gente que fica “comovida” com a medida, porque esta é apenas uma política emocional). Ninguém quer que as pessoas tenham salários baixos, mas há que perceber que os salários não vão aumentar apenas por se aumentar o SMN… senão passava-se o SMN para os 3000€ e o assunto ficava resolvido. Existir um salário mínimo imposto pelo Estado já é um atentado à liberdade, dado que impede um contrato voluntário entre duas partes livres, mas é ainda pior porque tem consequências nefastas.
Devia-se abolir o salário mínimo nacional em Portugal.

Leave a Reply