A Origem da Tragédia

[crítica do livro A Origem da Tragédia (1871), de Friedrich Nietzsche, publicado pela Europa-América (2005)]
Mesmo sabendo que não atingi por manifesta incapacidade a real dimensão da narrativa labiríntica, impiedosa e genial de Nietzsche, a sua reflexão filosófica sobre a batalha intemporal do apolíneo e do dionisíaco pela Civilização e pela Arte desde da Grécia Antiga é das revelações mais enriquecedoras sobre a Humanidade que já li.

Porcupine Dilemma

A number of porcupines huddled together for warmth on a cold day in winter; but, as they began to prick one another with their quills, they were obliged to disperse. However the cold drove them together again, when just the same thing happened. At last, after many turns of huddling and dispersing, they discovered that they would be best off by remaining at a little distance from one another

In the same way the need of society drives humans together, only to be mutually repelled by the many prickly and disagreeable qualities of their nature. The moderate distance which they at last discover to be the only tolerable condition of intercourse, is the code of politeness and fine manners; and those who transgress it are roughly told to keep their distance. By this arrangement the mutual need of warmth is only very moderately satisfied; but then people do not get pricked.

Democracy

I’m all in favor of the democratic principle that one idiot is as good as one genius, but I draw the line when someone takes the next step and concludes that two idiots are better than one genius. – Leó Szilárd

Nietzsche e o Futebol

O entusiasmo dionisíaco é capaz de comunicar a toda uma multidão de pessoas o dom artístico de se ver rodeado por uma horda de espíritos à qual sabe que se encontra profundamente unido. Este fenómeno surge com uma frequência endémica, e uma multidão de pessoas pode ser dominada por este estado de transe. Eis a razão pela qual o ditirambo é significativamente diferente de todos os outros coros. As virgens que entram solenemente no templo de Apolo, segurando ramos de loureiro e entoando hinos, permanecem as mesmas e mantêm os seus nomes de cidadãs; o coro ditirâmbico é um coro de pessoas transformadas, cujo passado cívico e cujo estatuto social são esquecidos por completo; tornam-se os intemporais fieis do seu deus, para lá de quaisquer contingências sociais.

Friedrich Nietzsche – A Origem da Tragédia

Visionários

1940, Praça dos Restauradores, Lisboa



2013 – Joaquim Santos sublinhou ainda que “precisamos de uma região administrativa eleita, que comande o gestor operacional dos transportes. Estes gestores operacionais têm que estar subordinados a uma visão política. E a visão política que falta é a visão regional. Podia já começar-se pela AML, elegendo pessoas para coordenarem esta área dos transportes.”


2014 – Germano Martins, presidente da Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa, lembrou que “a Carris e o Metro não são de Lisboa, são da região“, sublinhando que é preciso ter isso em conta quando se discute a possibilidade de o município de Lisboa liderado por António Costa assumir a gestão destas empresas.


2016 – Bernardino Soares, o presidente da Câmara de Loures rejeita a entrega da Carris e do Metropolitano à câmara de Lisboa, pois tem receio de que tal se traduza num acentuar da tendência para essas empresas não darem resposta fora de Lisboa, sendo que os seus utentes ultrapassam largamente a população do concelho de Lisboa. Para o autarca, a decisão acertada é confiar a sua gestão a uma entidade supramunicipal em que os municípios participem.





Com o tempo, e ajuda de visionários, irá se perceber que Lisboa não é uma cidade, é uma metrópole.

Uniformizar

Modi tem uma maioria absoluta e um perfil controverso. Fez carreira na milícia hinduísta Corpo Nacional de Voluntários (RSS), vanguarda do nacionalismo hindu desde os anos 1920. A prioridade do RSS não é conquistar o poder, mas sim modelar a sociedade segundo os valores e símbolos hindus, identificar Índia e hinduísmo: é a ideologia da hinduidade (Hindutva). As outras religiões teriam liberdade no foro privado, na mesquita ou na igreja, mas o espaço público seria exclusivo do hinduísmo e seus símbolos. A Hindutva visa desmantelar o modelo secularista indiano, muito mais próximo do multiculturalismo do que do laicismo. [Jorge Almeida Fernandes (2014), Publico]

É a Vida

Um dos dias mais tristes da minha vida desportiva foi o ano passado subir aquela escadaria. Este ano foi um dos dias mais felizes da minha vida desportiva. Há um ano passei uns momentos a subir aquelas escadas… só eu eu sei o que ouvi. Este ano foi o contrário. No dia em que eu não ganhar, vai acontecer a mesma coisa. – Conferência de imprensa de Jorge Jesus após o Benfica vencer a Taça de Portugal 2014. Juntou-a ao Campeonato 2013/14 e fez assim uma Dobradinha 27 anos depois.