Os Esgotos do Terreiro do Paço

A imponente Praça do Comércio (ou Terreiro do Paço) é conhecida como sendo o centro simbólico de Portugal.
Praça do Comércio
Para além disso, é também um dos centros do sistema de esgotos de Lisboa: é a partir da mesma que são reencaminhados parte das águas residuais da cidade para a ETAR de Alcântara.
Subsistema de Alcântara
Para esse reencaminhamento das águas residuais que chegam à praça através da Rua do Ouro, Rua Augusta e Rua da Prata ser possível, foi montado um sistema complexo por baixo da praça para gerir as mesmas.
Sistema de águas residuais da Praça do Comércio 
A laranja encontra-se o fluxo das águas residuais e a azul o fluxo das águas do estuário do Tejo que entram em contacto com o sistema através das caixas de válvulas de maré, feitas para reencaminhar as águas residuais e evitar a entrada das mesmas no estuário.
Caixas de Válvulas de Maré

Fonte: CM Lisboa – Simtejo – Youtube

The Great Replacement

The term “Great Replacement” was popularized by the French author Renaud Camus’s 2011 book Le Grand Remplacement. The Great Replacement states that the White French population, as well as the White European population at large is being progressively replaced with non-European peoples, specifically by populations from Africa and the Middle East, through mass migration, demographic growth and a European drop in the birth rate.

Centro Comercial Babilónia, Amadora, Portugal

Ser

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou? 


O mundo é para quem nasce para o conquistar 
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.

Fernando Pessoa – Tabacaria

Viva a Democracia!

Assim fala um eleito pelo Povo. “O Estado recebeu, por decisão do governo do Partido Socialista, a nacionalização do BPN e, por essa via, recebeu também um encargo e uma dívida superior a quatro mil milhões de euros. Há, no contexto desses encargos do banco, alguns activos, entre os quais os quadros da colecção Miró do BPN (35 milhões de euros). A possibilidade do Estado ficar com estes activos significava que o mesmo Estado teria de ir buscar [a outro lado] o conjunto de valores correspondente ao activo“, explicou Jorge Barreto Xavier. Para o secretário de Estado da Cultura, a colecção Miró do BPN faz parte de um problema que corresponde aos encargos de nacionalização do banco e o actual governo tem a o obrigação de o resolver para diminuir a carga nas contas públicas e nos bolsos dos portugueses. 

Assim fala um não eleito pelo Povo. O Ministério Público, que actualmente tem em curso duas providências cautelares com o objectivo de evitar a venda dos 85 quadros do pintor catalão Juan Miró da colecção do BPN, está disposto a avançar com futuras acções judiciais para impedir a sua venda. Em entrevista à RTP, Joana Marques Vidal (Procuradora-geral da República) defendeu que a colecção é “um acervo que não deve sair do património cultural do país”. E justificou as duas acções até agora interpostas pelo MP como uma obrigação deste organismo.

Capitalismo de Estado

2011Já o presidente da Câmara de Lisboa admitiu que nos primeiros anos a oferta de postos para carregamento das baterias vai superar a procura, mas defendeu que só assim se “dá confiança” aos portugueses para adquirirem carros movidos a electricidade. “Não podíamos ficar à espera que a indústria produzisse as viaturas. Só havia uma forma de romper isto: pôr o ovo, para que do ovo possa nascer a galinha”, disse António Costa
2014Uma situação denunciada por António Costa: “Temos tirado a sinalização vertical dos postos de abastecimento dos veículos eléctricos, porque a MOBI.E tem desinvestido na rede. Não vou reservar lugares que não servem para nada e não se destinam ao fim para que estavam destinados. Seria estar a roubar espaço para o estacionamento, que é um bem escasso.”